quarta-feira, 10 de julho de 2019


OUTRORA– SOLIDÃO – DESCAMINHOS

                 Por ser todo só outono, como os deuses preferem, em rubro e afeto, até o próprio poente afinado em lá sustenido não saberia como os sonhos se quedariam suaves aguardando o orvalho se desmanchar em motivos sóbrios. Os pequenos descaminhos enfeitaram-se de melancolia, embora as parábolas e os desejos fossem justificados. No contexto caberia a pergunta impertinente, mas coerente, se a lógica da razão poderia ter sido recebida entre uma desavença inútil e assexuada ou seria oportunismo do desvario? Estas questões eternas prepararam sempre as orgias e os cantos das calindas e dos odeneus. As coisas simples não carecem de respostas ou explicações para a alegria dos despautérios saudáveis poder se perder para sempre no inexplicável ou, por osmose, desfazer-se em métricas, quando não brota alvissareira meticulosamente garimpada entre melindres imaturos, colibris mágicos e dúvidas metafísicas. Por atavismo, é questão pura de pragmatismo e método, tanto assim que a vida se deu do nada, por mero susto ou descuido e se espargiu alvissareira imbuída de milagres sem remorsos ou provérbios. Tais versículos do testamento foram distribuídos por determinações dos odeneus sobre as angústias robustas para entusiasmar a insanidade alegre das calindas esbeltas chegando ao irracional destino. Preocupadas então com o porvir galopando para alcançar o futuro desnorteado e contraditório, não restava nada às calindas, desinibidas, abrirem nos cipoais das dúvidas às pequenas trilhas entre os prováveis e os impossíveis.
                 Confirmou-se, aos odeneus, salvo engano, que mesmo de longe e apesar dos gestos delicados, a beleza não passava de uma camélia despretensiosa, sem maiores desejos do que ser inodora e beijada pela brisa. Portanto, neste devaneio, entrelaçado somente a duas ansiedades impertinentes e uma metáfora inconsequente, o azul, que nascera da esperança fecundada pelo imponderável, se vestiu calmo de destino, desapegou sem atritos dos preconceitos e rebeldias, se dispôs despreocupado a transcender, com toda euforia que possuía, o talvez e, em sinergia com dois pintassilgos, a excitar as calindas antes das bacanais. Ai, por mais paradoxal que se apresentasse, foram exatamente as reminiscências das mitologias que se puseram a comandar o cosmos, pois os valores presentes continham insinuações de que os menestréis embalariam unicamente melodias lúdicas, externando fantasias mimosas para se derramarem pelos seios das virgens calindas. Estes caprichos delicados alimentam os caminhos dos sonhos e a libido das libélulas, dos odeneus e das calindas, para enfeitiçarem os aconchegos. 
Por ser aquele momento de extrema rebeldia, mas apropriado, os versos eram alexandrinos e os desejos sexuais aflorados para atenderem as ansiedades. Portanto, sem delongas, chegaria o momento angustiante de se oferecer em fá maior as sonatas dodecafônicas ao destino ou as gaivotas não cumpririam suas tarefas de espargirem mansos os anseios remanescentes sobre as ondas mais revoltas clamando para serem espumadas. A natureza tem estas suas exigências, conflitos e místicas inabaláveis, que só o além e o inconsciente acarinham sem explicação, mas com afeto. Poderia parecer com isto alguma incongruência, mas o contraditório pairava entre o desconhecido e a aurora deixando um sabor suave de demência descer tranquilo sobre o imponderável, pois as hipóteses mais irresponsáveis teriam de ser expostas ao acaso para quem tentasse, inutilmente, conciliar as sobras de liberdade com o amor e o desejo. Por coincidência, lembrou-se que os sonhos e delírios que o infinito roubara fora na intenção de esconder a tristeza e deixar espargir os êxtases dos afagos libertos das calindas e dos odeneus. Aos deuses não coubera nada mais do que acompanhar. 
Nestes embalos, um paradoxo intransigente aninhou-se carente à nostalgia, sem abuso, entretanto, mas deixou-se enternecer pela forma dolente como os sinos brincavam metódicos para determinarem os tempos, os nascimentos e os fins. Então, os apaixonados se desfizeram das melancolias, os pássaros se acalantaram nos remotos cantos dos encantos dos seus cantos e até ai nada de novo, salvo que o rumor da saudade suave foi enfeitiçado procurando somente esquecer os anseios e as solidões.

Ceflorence     09/07/19          e-mail  cflorence.amabrasil@uol.com.br

segunda-feira, 14 de janeiro de 2019


BREJEIRA.

          E por ser de sim dos arremates, Norinha se fez no só dela, prepotentosa no indiferente dos porvires, maliciosa dos muxoxos, para fazer-se muito em brejeira dengosa e sarapintar nas vertentes do arruado, em palma de mão-maria, que nuca falha. Quem de longe arreparasse nos proventos dos credos de boniteza enluada, sabia que por ali era dia de cismar chamego.
          Como de trejeito sapeca, Norinha aprumou nas andanças de desenrolar entornos. Pois, no dito arrematado do solfejo, foi assim que empertigou sabida de trocar velha solidão de semana desbotada por acalanto de carmim, que o lábio de beija-flor não descuida de ser insinuado de longe, ainda mais com beijo doce. Apanhou sombrinha de girar sorriso e trovejou macio propositura de flertar sorriso na praça alongada da vila.
          Se domingo adivinhasse os proventos o sol não amanhecia e o vento que embala do Sertãozinho não trazia chuvisco. Mas, segundo Raimundo do Donato, a codorninha pia no campo das gabirovas para acomodar companhia. Neste então a missa acabando vai soletrando gente pelas calçadas para falar mal de alguma coisa. Dedorengo apruma para a primeira cachaça que no domingo é mais antes. No tropeço empertiga o chapéu de fazer respeito e chamusca Norinha no distúrbio. O retorno é complacente das esperanças. Mais dois rabos de galo e a coragem aumenta.
          No transviado dos requebros, Norinha apruma para o lado do coreto aonde Roninho brinca na flauta de fazer seresta com os demais da banda. O sol sobe, o calor cresce, os trejeitos atiçam, a decisão espera. Norinha circula a dúvida sob a sombrinha faceira. Mastiga o nada. Insinua o destino e da flauta flanam borboletas que brincam de talvez. A pinga atreve, o cigarro enfeita, Norinha assanha na disputa perto. Roninho enfeza e Dedorengo jinga, O birimbau entoa, a capoeira marca, a rasteira dança. A negaça pede benção de chinela e a destreza à faca. O grito é “Nhorinha é minha” e o tempo fecha. A navalha aquece a mão sem destino de Deodorengo, o sangue desce manso do pescoço de Roninha, que retruca na faca o corpo alerta, amolecendo na jinga continua. E se os Oxuns mandassem a madrugada assistia o fim.
          Mas a polícia acampa, Norinha articula, enfeita o beiço, arremeda a cisma e se alonga das vistas. Deodorengo desvirtua a navalha na solidão do fingido, Roninho dissimula a faca na espreita do sabido e o domingo foi festa na falta do mais o que, Norinha estreite estrada, atende o gesto cabreiro do guarda Tonho, que se arvora em pronto para artimanhar companhia. E por ser por Deus dará, cada canto é do resto em aonde o pintassilgo assiste de fora para saber o que deve cantar para enfeitar o azul. E o demais foi perdão, pois Norinha e Tonho nunca disseram então no que deu.                      

Cflorence    Jan/19       email cflorence.amabrasil@uol.com.br